Para Ver e Ler: As Crônicas de Gelo e Fogo

Você já deve ter ouvido falar dessa série de livros em algum momento da sua vida. Se não ouviu, agora terá a oportunidade de conhecer. E acredite, vale a pena.
Estou falando dos livros da série As Crônicas de Gelo e Fogo (A Song of Ice and Fire), ou, como é mais conhecida, da série de televisão da HBO, Guerra dos Tronos (Game of Thrones).



Ok, Lily, do que você vai falar afinal?
De ambos, meus queridos. De ambos. Mas, para facilitar a vida, falemos primeiro dos livros.
As Crônicas de Gelo e Fogo
As Crônicas de Gelo e Fogo é uma série de livros de fantasia composta (até o presente momento) de cinco livros: Guerra dos Tronos (A Game of Thrones), A Fúria de Reis (A Clash of Kings), A Tormenta de Espadas (A Storm of Swords), Festim dos Corvos (A Feast for Crows) e Dança com Dragões (A Dance with Dragons). É escrita pelo roteirista norte-americano George R.R. Martin, e já recebeu prêmios importantes da Literatura como o Locus, além de indicações ao Hugh, Nebula e British Fantasy. O primeiro volume, Guerra dos Tronos, começou a ser escrito em 1991, e foi lançado em 1996. Desde então, a série de livros já foi traduzida para, aproximadamente, vinte idiomas, além de ter vendido mais de quinze milhões de exemplares por todo o mundo.
A história se passa no reino fictício de Westeros, e nos reinos vizinhos que o rodeiam (sobretudo a terra de Essos). Westeros segue todas as normas e regras de um bom reino medieval de nosso mundo, com contratos de suserania, vassalagem, torneios de justas, seres místicos (ok, esses não existiam em nosso mundo, mas bem que gostaríamos), banquetes e guerras com espadas. Tudo começa treze anos após a Grande Rebelião (ou Rebelião do Usurpador), guerra civil em Westeros que depôs a dinastia Targaryen do trono, ao assassinar o rei Aerys II - conhecido como Rei Louco (The Mad King) - e coroou o líder da rebelião, o jovem Robert Baratheon. No começo da história, Robert, já rei, vai visitar seu velho amigo e aliado, o Senhor do Norte, Eddard (Ned) Stark. O plano de Robert é fazer que Ned aceite ser sua Mão do Rei (uma espécie de administrador e braço direito da realeza), já que sua antiga Mão, Jon Arryn, morreu em misteriosas circunstâncias.
A família Stark pode ser considerada a família protagonista da história, apesar de não ser a família real. Boa parte da história do primeiro livro é contada sobre o ponto de vista dos membros da família de Ned. Para ser ter ideia, de todos os membros, apenas Rickon, o caçula, não tem seu ponto de vista contado no primeiro livro. Os demais (Ned, Catelyn, Robb, Sansa, Arya, Bran e até mesmo o bastardo Jon) são todos protagonistas em diversos capítulos. A condição se mantém nos demais livros da série, com a saga dos Stark interferindo diretamente na história principal.

Eddard Stark. Também conhecido como Boromir. Ou Zeus. Você escolhe.

E é exatamente a ida dos Stark para Porto Real (King's Landing) que faz com que toda a história comece. Há um clima de tensão em Porto Real, com diversas famílias e membros da corte tramando e conspirando a favor e contra o rei. No meio dessa tensão, chamada de "Guerra dos Tronos", podemos ver a organização de uma nova guerra civil, dessa vez com famílias nobres querendo disputar o trono conquistado por Robert.
Além dos Stark, temos ainda as famílias Baratheon, Tully, e muitas outras ganhando destaque, mas nada se compara aos Lannister, família da rainha Cersei. Os Lannister são a família mais rica de Westeros, protetores do Oeste e donos de Rochedo Casterly. Sua influência e ambições são imensas, e é uma família orgulhosa, que gosta de se manter no poder e manter sua linhagem nobre (se precisar, com casamentos entre a própria família).
São tão nobres que dela nasceu o Príncipe Encantado do Shrek


Paralelamente ao enredo de Westeros, correm mais duas histórias que, no futuro, podem se fundir numa só. Nas terras de Essos, vivem os únicos sobreviventes da antiga dinastia real de Westeros, os Targaryens. Viserys e sua irmã, Daenerys, vivem exilados e ambicionam recuperar seu trono, usurpado por Robert. Para tanto, eles se aliam, pelo casamento de Dany, com uma tribo khalasar, famosa por seus poderosos guerreiros e por sua paixão por cavalos. Ao se casar com Khal Drogo, considerado um poderoso Khal (líder de uma tribo khalasar), Daenerys começa a conhecer sua própria força e habilidades, e aos poucos planeja sua volta a Westeros, com a ajuda de seus aliados e com o poderio dos membros do khalasar.
Além da história de Daenerys, temos ainda a história da Muralha, que sofre com as ameaças constantes da invasão dos desconhecidos e assustadores Outros, tribo que vive além das fronteiras ao norte de Westeros. Para a segurança do reino e do próprio Norte, a Patrulha da Noite (espécie de sociedade juramentada que prega a proteção, a vigia e o celibato de seus membros) é a responsável por cuidar dos Outros. Por meio de Jon Snow, bastardo de Eddard Stark, é que conhecemos melhor esta sociedade e vamos descobrindo o território habitado pelos Outros.
Pontos fortes da série:
1. A narração sob o ponto de vista de diversos personagens. Apesar de sempre usar a terceira pessoa, George Martin conta em cada capítulo a história de algum personagem, e com isso descobrimos tramas paralelas e outros acontecimentos que não poderíamos saber se a história fosse focada em apenas uma pessoa. O livro, com isso, fica realista, porque parece que tudo acontece ao mesmo tempo, como, de fato, acontece.
2. Os personagens em si. Martin se preocupou muito em fazer personagens reais, complexos, que não fossem totalmente bondosos, nem totalmente malvados. Ao longo da série, vemos personagens aparentemente sem caráter com sentimentos e motivações nobres, o que os tornam humanos. Mesmo aqueles considerados mais inteligentes e astutos, uma hora, caem em xeque, e notamos que eles são também falhos.
3. Cada livro da série tem mais de 500 páginas em média. E mesmo assim a história não fica parada ou repetitiva. TODO acontecimento tem alguma importância, mesmo que futura. O que faz com que todos os fãs fiquem atentos a cada detalhe.
4. A tematização do jogo político do poder, e como as pessoas lutam por ele e lidam por ele. Pessoalmente, adoro como o irmão de Cersei, o anão Tyrion, lida com esta questão. Mesmo não estando no poder, Tyrion tem uma habilidade não só de entender, mas também de descrever o jogo dos tronos, de maneira surpreendente. E, óbvio, essa leitura do poder político e social pode muito bem ser encontrada em nosos mundo real, o que faz com que as pessoas pensem mais na situação atual do mundo.
5. A valorização de personagens femininos. Ao contrário de muitas histórias com ambientação medieval, As Crônicas de Gelo e Fogo valoriza bastante suas personagens femininas. Muitas delas, inclusive, têm real poder e influência decisiva nos rumos da história (não é Cersei?), mesmo que, dentro da trama, pouco vejam isso. Algumas outras tem caracterizações e atitudes tão dignas que nos faz pensar que, finalmente, estamos criando histórias com boas personagens femininas (não, não estou falando no sentido pervo da coisa, rapaziada, apesar que eu sei que vocês gostam disso também!)
Pontos fracos da série:
Porque sim, tem alguns :p Nem mesmo ASOIAF é perfeito.
1. Apesar do livro não ficar parado ou repetitivo, a história começa a chegar em um ponto em que precisa se resolver, e não se resolve. Há expectativas de que talvez mais dois livros saiam para concluir a série, mas, a não ser que Martin tenha muito jogo de cintura (o que não duvido que ele tenha), talvez apenas dois livros não sejam suficientes para resolver todas as tramas abertas até agora. E são MUITAS.
2. Alguns personagens simplesmente beiram ao tédio de tão chatos. Ok, todos eles contribuem de alguma forma para a história, positiva ou negativamente, mas eles não conseguem convencer como personagens. Como posso explicar... há certas coisas que tornam um personagem verossímel, VERÍDICO, e George peca com algum deles (sim, Catelyn, estou olhando para você).

 E não me olhe com essa cara de quem não sabe a merda que fez!

3. A demora de Martin em escrever o próximo volume. Tudo bem, isso é mais uma reclamação de fã, mas não deixa de ser um ponto fraco :p

Onde encontrar:

Bom... em qualquer livraria XD A edição brasileira foi lançada pela editora LeYa, mas confessarei que não tem a melhor das qualidades. O papel é bem fino, e a capa amassa bem fácil. Mas a tradução, nas mãos de Jorge Candeias (tradutor responsável pela edição portuguesa, a usada nos quatro primeiros volumes como base para a tradução brasileira) e de Márcia Blasques (a tradutora de Dança com Dragões) é muito boa e precisa apesar dos problemas judiciais.

E agora que falei bastante dos livros (e sem dar spoiler), vamos à série...

Guerra dos Tronos

Ok, sabendo a história dos livros, obviamente que vocês conhecem a história da série televisiva. A adaptação do canal HBO para TV das Crônicas de Gelo e Fogo - que levou o nome do primeiro livro da série - é bastante fiel ao livros, ao modo como pode. Ainda assim, bem mais fiel que muitas outras adaptações que já vi por aí.

A produção da série começou em 2011, lançando o episódio piloto no dia 17 de abril. Dado o sucesso da série de livros, toda a primeira temporada foi realizada ainda em 2011, com os dez episódios retratando os acontecimentos do primeiro livro. O sucesso da série foi tão estrondoso que uma segunda temporada, em 2012, foi feita, e uma terceira já está em produção, com estreia marcada para dia 31 de março.

E eu não vou perder!

Uma curiosidade sobre a série televisiva: segundo uma pesquisa do jornal Folha de São Paulo, Game of Thrones foi a série mais pirateada da internet no ano de 2012. Isso demonstra muitas coisas. A primeira é que a pirataria tá rolando solta mesmo, e né, acho que no mundo inteiro. A segunda é o sucesso da série, que se tornou campeã em downloads, mesmo com alto índice de audiência nos dias em que passava na HBO.

Outra curiosidade é que a ansiedade dos fãs para ver a série foi TANTA que, magicamente, "vazaram" o segundo episódio da segunda temporada de GoT (a sigla usada para designar a série). Ou seja, milhares de pessoas viram o episódio "The Night Lands" pouco (mas pouco mesmo) tempo depois da HBO exibir o episódio "The North Remembers", o primeiro da segunda temporada.

A série é composta de diversos atores já famosos e renomados no meio artístico. Para mim, o principal deles é Peter Dinklage, que vive o anão Tyrion Lannister. Dinklage, por sinal, venceu o Emmy e o Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante por esse mesmo personagem, e a série ainda foi indicada para os prêmios de Melhor Série dos dois concursos.

Seguem alguns membros do casting...









  • Peter Dinklage como Tyrion Lannister
  • Lena Headey como Rainha Cersei Lannister
  • Nikolaj Coster-Waldau como Sor Jaime Lannister
  • Michelle Fairley como Catelyn Stark
  • Emilia Clarke como Daenerys Targaryen
  • Kit Harington como Jon Snow
  • Charles Dance como Lorde Tywin Lannister
  • Isaac Hempstead-Wright como Bran Stark
  • Richard Madden como Rei Robb Stark
  • Sophie Turner como Sansa Stark
  • Maisie Williams como Arya Stark
  • Alfie Allen como Theon Greyjoy
  • Sean Bean como Lorde Eddard "Ned" Stark
  • Mark Addy como Rei Robert Baratheon
  • Harry Lloyd como Viserys Targaryen
  • Jason Momoa como Khal Drogo

  • A série tem produção de David Benioff e D. B. Weiss, que também atuam como roteiristas. É transmitida pela HBO aos domingos (quando está ao ar), inclusive no Brasil. As gravações ocorrem em locações da Irlanda do Norte e da Croácia, basicamente.
    Pontos fortes da série
    1. Os cenários. Deuses, como os cenários são BEM FEITOS. Idem para o figurinos. A direção de arte de GoT está simplesmente de parabéns, porque Westeros nunca foi imaginada por mim tão perfeitamente e tão bela quanto aparece na série. Os detalhes também são bem valorizados, e a fotografia é muito boa.
    2. A atuação do elenco mirim e infanto-juvenil. Tudo bem, o elenco adulto também é primoroso, mas dá muito mais trabalho trabalhar com crianças. E o elenco mirim de GoT ainda tem a "desvantagem" de que seus personagens são muito mais complexos e expostos a situações muito mais sérias do que costumamos ver em filmes infantis, por exemplo. A cena do corte do cabelo de Arya, por exemplo, é de chorar. Maisie Williams, mesmo tão nova, aceitou desafios que poucas adultas aceitam.


    Não, Carolina Dieckmann, não estou falando de você, sai!

    Mas eu dou mesmo destaque dos mirins para Isaac Hempstead-Wright, que dá vida ao jovem Bran Stark. O menino BRILHA no papel. Ele faz com uma leveza e ao mesmo tempo seriedade que é de comover. O Bran de Isaac é sensível, inteligente, e de uma sagacidade plena. Adoro Isaac.
    3. A adaptação. Como disse, é uma das mais fiéis já vistas em adaptações do gênero fantasia. Tanto que, se você assiste a série antes, o livro fica até meio redundante. E é tanto mérito que, mesmo com livros gigantescos, a série consegue manter a coerência e a fidelidade com apenas dez episódios de aproximadamente 45 minutos cada.
    Ponto fraco da série
    Eu só tenho um a indicar: a forte erotização que a HBO pôs na história, sobretudo na primeira temporada. Tudo bem, é a HBO, mas o livro nem tem tanta mulher pelada e nem tanto sexo quanto parece na série. Em compensação, nos episódios, sempre tinha alguma cena de sexo (de forma um tanto explícita - light, mas explícita), sempre algum sangue em abundância e sempre alguma mulher desfilando com os peitos de fora por aí. HBO, podemos fazer menos disso, né? Vocês tem material bom demais para simplesmente ficar usando esse tipo de artifício o tempo todo.
    Não que seja ruim cenas de sexo ou mulheres peladas ou qualquer coisa do tipo. Se for parte natural da história, tudo bem. Mas sinto que, às vezes, a HBO usa mais como artíficio para prender o telespectador, para conseguir audiência, do que como algo que REALMENTE acrescente para a história. Putaria pura e simples é meio chato, não? Sem contar que fica naquelas, mulher não é um filé-mignon pra se vender por aí.
    Assistir com seus pais sem avisá-los pode dar nisso aí.
    Mas apesar dos defeitos, a série ainda é de excelentíssima qualidade, e o Boreal Café recomenda! Tanto livro quanto a série de TV!
    Agora, se você já é fã... e se como eu, é uma menina nerd assumida, recomendo que não perca os posts das próximas segundas-feiras. Aproveitando que falei de Game of Thrones e o Boreal Café adora um post sobre beleza, no dia 21 trarei pra vocês um post de esmaltes TOTALMENTE INSPIRADO EM GoT. Tá lindo, gente!
    Espero que tenham gostado da sugestão. Precisou de livro pra ler, ou série para assistir, lembre-se: As Crônicas de Gelo e Fogo estão aí para isso!
    Beijos beijos!
    

    Postagens mais visitadas deste blog

    Esmaltes: Especial Once Upon a Time

    Biquini Anos 50

    Batendo Perna: The Clock Rock Bar