"A Terra das Sombras", de Meg Cabot

Suzannah acaba de se mudar da metrópole de Nova York para Carmel, uma pequena cidade litorânea da Califórnia e acredita que lá poderá começar sua vida do zero. Não que ela tenha feito algo de muito grave para ter que começar tudo de novo, mas isso é o que pensavam as pessoas de onde ela morava. Também, pudera! Suzannah é do tipo de menina que se envolve em arrombamentos, depredações, sai pela madrugada, conversa sozinha e volta para casa acompanhada pelos policiais. Você também poderia pensar que Suzannah não é uma boa menina, ou acreditar que por um azar do destino ela está sempre no lugar errado, na hora errada. Na verdade, não é nada disso. Tudo pode ser facilmente explicado: Suzannah é uma mediadora.

Isso significa que Suzannah vê pessoas mortas. Todas elas. Conversa com elas. E é responsável por ajudá-las a seguir em frente seja lá para onde as pessoas mortas devam ir. Porém às vezes não é tão fácil fazer um fantasma achar seu caminho. Ela tem que cumprir missões como delatar assassinos, entregar mensagens a parentes dos falecidos, descobrir tesouros escondidos, isso quando o fantasma colabora. Quando ele não colabora, Suzannah precisa, como ela mesma diz, "chutar os fundilhos da alma penada pro outro mundo".

Ao chegar em Carmel, Suzannah acredita que poderá deixar para trás toda sua história como mediadora e se tornar uma menina normal, mas o fantasma de uma estudante que se matou há pouco tempo está a solta, querendo vingança do ex-namorado, e o sangue de mediadora volta a correr nas veias de Suzannah. Ajudada pelo fantasma bonitão que assombra sua nova casa em Carmel e por outras pessoas que também estão envolvidas com mediação (ela que pensava ser a única!), será que Suzannah conseguirá voltar com a paz da cidade antes que o fantasma leve mais alguém pro outro mundo?

Escrito por Meg Cabot sob o pseudônimo de Jenny Carroll (nome do seu falecido gato), A Terra das Sombras é o primeiro volume da coleção A Mediadora, publicada no Brasil pela editora Galera Record. Apesar de não ser um dos melhores livros escritos pela autora, ainda assim é Meg Cabot, o que garante uma leitura divertida e interessante do começo ao fim do livro. A pequena falta vai para a personagem principal, Suzannah, que em alguns momentos do livro apresenta-se um tanto Mary Sue, aquela personagem perfeita, que todos amam. Estes são basicamente os momentos do livro onde não existe ação, mas como são poucos estes momentos, e o primeiro livro da série é apenas a abertura da história, vamos dar uma colher de chá. Afinal a história principal não gira ao redor de Suzannah e seus amigos, e sim Suzannah e seus problemas com fantasmas, e essas partes são bastante interessantes e fazem a leitura valer a pena!

Postagens mais visitadas deste blog

Esmaltes: Especial Once Upon a Time

Resenha: A Culpa é das Estrelas

Biquini Anos 50